quarta-feira, 22 de março de 2017

How could I collect that many things?

I lived almost my whole life in São Paulo, in the same house for 28 years before moving to Germany, what alone would be enough to help me accumulate a lot of possessions, but it is intensified by five years working with fashion; it made me collect quite a lot of stuff: clothes, shoes, accessories, etc. I also like japanese culture and all that comes with it, so books, magazines, dolls, toys, are all part of the things I love...
So I think it is easy to imagine how my room, and house were!
When I decided to study at the University of Heidelberg, I realized I would have to set a lot of my things free. I would not be able to bring too many things because I didn't have a place yet to stay and I knew I would have to carry my things up and down the city.
My goal, when openning my closet was clear, to make money out of it, so I loaded my Facebook page and blog with my precious things.
Funny fact is, before deciding to move, my requirements when tidying up my belongings were pretty different than the ones before traveling.

So here is more or less how I made my decision:


( Make up was not included because I was never addicted to that, I use the same eye shadow collection since 2011, same with perfum, always Bombshell or Funny da Moschino)

So in 2013 I donated or sold like 40 % of my belongings, I must confess the worst part was let my books and toys go, but I am sure they have new homes. I also got new ones in Germany, I finally got a Monchchichi to call mine!

Now I am moving again after 3 years living in the same room, and one more time a big challenge! I don't have as many things as before coming here, but I have now kitchen paraphernalia and other important things like a fan!

I tried to use Konmari's method, what makes me happy stay, but my question was:




I also checked some videos online about minimalism and organization, and I decided to combine everything: what makes me really happy, less is more, and to keep just one representative of the things I love, for example from my childhood I kept my Tiger from Disney, from my nerdy past my collection of Sailor Moon, from Hello Kitty a very special and limited edition and things related to Alice in Wonderland.
It is working, let's see what will be my next strategy when I move to another city.


 

quarta-feira, 1 de março de 2017

Strategies to overcome Heimweh

German can be considered an awful language (here I agree with Mark Twain) but it offers us wonderful expressions like:


Picture of Anhangabaú in São Paulo, 3 minutes before a heavy storm, nothing is more "São Paulo" than a torrential rain.

It comes from “Heim” as home and part of the verb “wehtun,” that means to hurt or ache. And many times I have this feeling that is not exactly melancholy, well Heimweh it is. And I felt it really strong after spending awesome 44 days with my family and friends.

I heard that the match is basic: " the longer you stay 'home' the hardest it is to reconnect to your new home." It made sense, when you are visiting a place you oversee the bad parts and getting used to a routine makes it hard to recover.

So my tatics were:



- Do as fast as possible, and as many as possible the things you love and that made you decide for the new place. What I do: I go hiking, or biking. Reading a book close to the river or park, having a coffee with friends and having fun with my boyfriend.

- Focus on your decision. You decided to move abroad because of working opportunities, for learning a new language, to have a better life qualty...There are many reasons, some are sad like escaping war or poverty, so whatever it migh be, focus on it! 

- Try to maintain a good relationship with friends and family back "home," you can be far away, but they will still help you when you are felling Heimweh. So you all you can, Skype, Whatsapp, Instagram.

Now I want to know, what are your strategies?

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

To the things we gain, and the things we lose

The view from my bedroom's window- São Paulo

After more than three years without visiting home, consequently three years with no revelant posts here, I decided to spend some time in Brazil. For reasons of cheaper flight tickets I had to stay 44 days. My boyfriend's concern was "should you call your mother and ask with you can stay that long at her place?"
I laughed and replied "You still have no idea how Brazilian mothers work!"
With the ticket paid I told my mother the good news and, as expected, she got emotional and seemed really happy.
I was anxious, three years away would definitely cause me some strangeness, and my expectations were not deceived, São Paulo is too noisy, too chaotic, too busy, wonderful!
My first two weeks were devided between getting used to the weather, to the noise - cars passing the day and night, plus my mother lives close to a Samba school and in December/January they are practicing a lot - and getting used to speaking Portuguese all the time.
Living in Germany with poor German makes you ignore outside noises, I hear people speaking Turkish, Chinese and German everyday and since I don't understand, I don't care so much and I end up living in my own little world, but in Brazil it is different: Chinese people, they speak Portuguese, Syrian descendents? They also do. So I could understand everybody and that bothered my thoughts a bit.
After the first impression passed, everything was cool, beautiful and exciting! For New Years I met some friends and we celebrate in a very charming part of the city. The following week was beach time! And I visited some places at the coast of São Paulo, gorgeous water and awesome view.





How could I have left such place, where my family is, and my dearest friends? Like reading my thoughts my mother answered.
"You are on vacations, don't forget. People are now making a huge effort to see you, and maybe if you were living here, you would stay months or maybe years without seeing them!"

And that makes sense, some people I invited to go to my mother's house for a clothing swap I organized never came and never said the reason they didn't come.
Still I started thinking about all the new emotions I experimented, like the loneliness of moving to a new country but also the feeling that I am capable to do things alone, the confidence that you will find help on the way, that you will meet new people and live new adventures.
Going or staying, it doesn't matter, we always lose something and gain others, but the time I stayed "home" showed me that I have to be myself again, do more things that I used to like three years ago.

domingo, 5 de outubro de 2014

Ser Humano é tudo igual

Em um ano morando no mesmo lugar, dá para tirar algumas conclusões baseadas em observações e comparações, e eu cheguei aos pontos abaixo depois de analisar na minha cabeça e conversar com outros americanos (do sul e do norte) e com a minha mãe e amiga que passaram um tempinho aqui comigo.
Países que foram colônias têm o costume de se olhar da maneira que a metrópole sempre os olhou, e no Brasil isso resultou no nosso tão falado "Complexo de Vira-lata" que o Nelson Rodrigues falou lá em 1950 e que nas manifestações de 2013 (Revolução do Vinagre) foi tão repetido e discutido.
Eu tenho ainda conheci outra teoria, que ouvi numa aula na Faculdade de Letras e nunca consegui esquecer: para formarmos adjetivo de nacionalidade, acrescentamos o sufixo 'ano', como italiano, chileno, peruano, ou variações como argentino, alemão, húngaro. No Brasil, usamos brasileiro, o sufixo 'eiro' está basicamente ligado à profissão, local que se guarda objetos, objetos e coletivos (Breve Gramática do Português Contemporâneo, Lisboa, João Sá das Costa Editores, pág. 69), estressando, brasileiro, que trabalha no Brasil. 
Um "Melting Pot" onde as diversas nacionalidades europeias, mais tarde povos,  viriam para extrair o máximo que pudessem em então voltar à civilização, modernidade e cultura. O interessante não era tornar a maioria das colônias em potências que pudessem concorrer, esse 'olhar colonial' manteria os mestiços 'vira-latas' em seu devido lugar, inferiores colonias com subculturas e dependente dos produtos e da civilidade deles.
Fomos tão bem treinados que acreditamos veemente nisso, o Brasil só tem maloqueiro, gente que quer 'mamar nas tetas do governo', aproveitadores e incultos.

O discurso de "na Europa que é bom, moderno, limpo, sem mendigos, maior justiça social, menor jornada de trabalho, pessoas educadas, nada de bolsa família e não tem funk, esse gênero musical decadente" só pode ser de pessoas obviamente nunca foram à Europa, provavelmente nunca saíram do Brasil, por isso imaginam que indo ao 'centro do mundo' vão encontrar pessoas superiores. 

A boa notícia é: ser humano é complicado em qualquer lugar do mundo, muitas cidades que conheci na Alemanha, em Portugal ou mesmo Paris são sujas e cheias de mendigo! Tem uma 'cracolândia' bem pertinho da estação de trem (aliás lugar que evito passar sozinha e quando vou fico próxima ao segurança) onde moro. Pode ter menos gente na podreza e maior igualdade social, mas ainda sim existem pessoas pedindo dinheiro, recolhendo latinhas e garrafas na rua e roubando (clique aqui para reler o triste relato das minhas botas Timberland), sobre a jornada de trabalho, depende muito da empresa e do lugar, meu ex namorado publicitário trabalhava em casa de fim de semana e às vezes entrava às 7 horas da manhã para ficar até a noite, existem similares ao bolsa família para todo tipo de pessoa, tem bônus para bebês, ajuda financeira até certa idade e outras formas do governo auxiliar que não consegue trabalho, e existem 'maloqueiros', muitos, mulheres com cinco filhos pendurados, gritando no trem, ouvindo hip hop em alemão alto dentro do transporte público e todas' àquelas coisas horrorosas 'que os coxinhas pensam que 'só existe no Brasil'.

A educação eu deixei para o final porque é algo que me incomoda muito: alemão não respeita fila! Não existe esse conceito na cabeça deles, não se pode generalizar, mas em todos os lugares vejo isso. Fila para ir ao banheiro? Só se tiver um segurança controlando, se não as mulheres vão se jogando para entrar primeiro. Tenho uma história engraçada de uma festa deste ano, eu esperava na fila e quando chegou a minha vez uma menina atrás passou à minha frente e entrou na porta que abriu, não deu tempo nem de eu reagir, a segunda foi tentar fazer o mesmo, mas eu não aguentei, andei mais rápido e abri a porta com tudo, que bateu na cara dela. mandei o bom e velho "chudigung" (entschuldigung). Fila de ônibus é a mesma coisa, o problema é seu se você chegou vinte minutos antes dele, alguém que chegou 2 minutos antes vai tentar furar fila, é a síndrome de Schumacher, eles querem passar na frente pisando nos pés do adversário para pegar um lugarzinho perto da janela.

Lugar reservado em transporte público? Até tem, a maioria das pessoas não respeita e eu já vi senhoras de andador tendo que ficar em pé porque ninguém oferece lugar para sentar, não é igual o vídeo daquela moça que não queria dar lugar a uma senhora no ônibus (vídeo que não entendi porque outra pessoa não cedeu lugar e deixou uma discussão inútil acontecer, se aprendi algo na vida é que com pessoa idiota não se discute, deve-se falar 'tadinha, deve ser muito foda ser assim...'), ninguém nem olha. já tive que pedir para um cara sentado num banco reservado para dar licença para um senhorzinho sentar. O senhor jamais pediria, o que meu ex falou, segundos antes de eu levantar de um assento normal para ceder à um homem com bebê no colo foi: " a pessoa pode ficar ofendida se você oferecer lugar", eu ofereci e o homem ficou muito satisfeito e deixou eu brincar com o bebê. 
A melhor resposta que ele poderia ter.

A conclusão é, gente mal educada, grossa, 'maloqueira', existe em qualquer lugar do mundo e que a gente precisa enxergar um pouquinho mais além do oceano atlântico!

(próximo post talvez eu fale do atendimento em bares e restaurantes aqui da Alemanha, é tão ruim que parece que você está fazendo um favor à garçonete, ainda assim elas fazem 100 euros de gorjeta por noite)

sábado, 27 de setembro de 2014

Tudo a seu tempo!

Para nós que somos do Brasil é engraçado pensar em algo de ‘época’, claro que existem algumas frutas e legumes que se fora da época não são tão saborosos, e é difícil achar Colomba Pascal fora da Páscoa e Panetonne sem ser no Natal, é difícil, mas não impossível, o Carrefour às vezes vende versões fora de época.


Mas não posso esquecer que estou no país das regras e tradições, e eles são bem chatinhos com isso. Só me dei conta em junho quando a minha mãe trouxe um delicioso pote de doce de leite cremoso Aviação e eu tive a blasfêmica ideia de comprar uma Berliner sem recheio e colocar o meu doce, transformando-a assim em uma versão gringa do nosso Sonho. A Berliner, ou bola berlinense é basicamente o nosso sonho de padaria com recheio de geleia de morango (os Brasileiros ganham nessa mistura). Perguntei pro meu amigo padeiro se ele poderia me trazer algumas, mas “Berliners só podem ser consumidas do começo do ano ao carnaval”.

Mas o fato é que um mercado daqui dá uma de Carrefour e vende o doce o ano todo, mas com geleia, e eu queria pura. “Eu sei, mas não posso fazer, elas só devem ser produzidas neste tempo específico”.
Pensei que ele estava exagerando, mas um novo fato me fez perceber que é assim mesmo, o supracitado mercado já está vendendo, em pleno setembro (!!!) Lebekuchen (calma, nada mais é que pão de mel em formatos natalinos) e eu comprei porque: 1) adoro chocolate, 2) são super fofinhos, corações, árvores, botinhas de papai Noel e estrelas como guloseimas, 3)combinam muito com café. Preparei um cappuccino, abri toda contente o pacote e ofereci para a menina que mora comigo. “Que absurdo, não se deve comprar Lebekuchen antes de Dezembro, não faz sentido, eu não posso comer!”
 

Não gostei muito, mas tudo bem, eu entendi que é legal ter essas tradições que lembram infância e te ligam a sua terra, a sua Heimat. Eu também tenho algumas que não abro mão e hoje na Heidelberger Herbst, a festa de outono da cidade, eu aproveitei e testei o ‘vinho novo’ com uma torta de cebola, algo que só se faz no começo do outono, e senti este tal sabor especial.



Video com a parte medieval da festa, não tem narração porque eu ia fazer na sala de internet, mas tá rolando uma festa aqui, apagaram a luz e estão ouvindo música alta.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...